Qual é o papel do medo em nossas vidas?

“Todos os homens têm medo. Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com a coragem”, Jean-Paul Sartre. O filósofo nos faz pensar nos papel do medo em nossas vidas. Será que precisamos superá-lo? Quando é preciso buscar ajuda?

“O medo tem como papel principal o de sinal de alerta diante de algo que causa a sensação de ameaça. Na infância, é comum medo de escuro, fantasmas, de crescer, de perder os pais, por exemplo”, explica Amanda Amorim, psicóloga da Clínica Espaço Construir.

Segundo ela, a criança tende a se comportar a partir de modelos, reproduzindo o que vê e percebe. Então, pais medrosos em excesso, filhos com grandes probabilidades de se mostrarem medrosos. “Aprender a enfrentar nossos medos é um ótimo modelo de assertividade para os pequenos”, acrescenta.

Na fase adulta, os medos estão mais relacionados ao fracasso e julgamento alheio. Isso prejudica as tomadas de decisões, porque a pessoa se mostra insegura e confusa. Pode acontecer de haver medo de altura, de lugares fechados e também diante de situações inesperadas, como as que estamos vivendo nos últimos tempos.

Apesar de ser algo natural na infância e na fase adulta, o medo precisa ser compreendido e, muitas vezes, superado. Quando ele paralisa a vida, é hora de procurar ajuda e buscar autoconhecimento para lidar melhor.

Como lidar com o medo

Para vencer, é fundamental trabalhar a autoconfiança e a autoestima. Em terapia, é possível compreender que tipo de medo temos: reais ou irreais. Falar e identificar quais são os pensamentos, sentimentos e criar consciência para fortalecer as emoções e lidar com o medo são caminhos importantes.
“Há a necessidade de entender quais são as crenças que absorvemos no decorrer da vida sobre os medos. E, então, desmistificar para lidar melhor com eles”, ressalta a psicóloga.

Ajude as crianças
Ouça seus medos e jamais julgue ou me
nospreze o medo da criança. Busque soluções para lidar com o medo compartilhado. Se for de escuro, ofereça uma lâmpada acesa. Estimule o diálogo!